O capital de giro é um valor fundamental em qualquer empreendimento – e isso se aplica tanto a negócios independentes quanto no sistema de franquias. Ele é crucial para manter a saúde financeira do seu negócio que, sem ele, não sobreviverá. Já falamos, em outro artigo, para que serve o capital de giro e como calculá-lo (https://www.novoaprado.com.br/para-que-serve-o-capital-de-giro-na-franquia-e-como-calcula-lo/). Agora, explicaremos por que ele compõe o investimento inicial da franquia e qual é a razão de seu franqueado não poder iniciar a operação sem esse valor em caixa. Então, fique conosco até o final!

A importância do capital de giro

O capital de giro é indispensável para garantir que a empresa possa funcionar sem interrupções, mesmo antes de começar a gerar lucro. Ele terá a função de cobrir uma série de despesas, tais como impostos, salários dos funcionários, renovação de estoque, aluguel do espaço, contas fixas (como a de água, energia elétrica, internet), e outras despesas operacionais.

Esse valor precisa ser calculado para cobrir despesas que não serão pagas pelo faturamento inicial da franquia nos primeiros meses de operação, quando ela ainda não atingiu o break even (o ponto de equilíbrio). 

Numa linguagem mais direta, é o dinheiro que o empreendedor precisa dispor para manter as operações da empresa, garantindo a cobertura dos custos e despesas regulares nos primeiros meses de funcionamento. Em franchising, essa importância é tão presente quanto em qualquer outro negócio, uma vez que os franqueados não têm receita imediata.

O capital de giro é a reserva financeira disponível que o franqueado deverá ter para manter o negócio operando sem contratempos durante seu estágio inicial.

O capital de giro no investimento inicial

Quando o candidato à franquia passa pelo processo de seleção, ele é informado sobre o valor do investimento inicial da unidade franqueada. E, neste momento, a equipe de Expansão da franqueadora deve também informar o valor disponível para o capital de giro, já que muitos negócios dependem de uma boa quantia para começarem a operar. Isso porque alguns segmentos dependem de fatores como folha de pagamento, aluguel, impostos e outras contas que precisam ser pagas com o recurso do capital de giro.

E quando a unidade franqueada já fatura, o capital de giro pode ser dispensado?

O capital de giro nunca poderá ser dispensado. É esse valor que faz com que a unidade franqueada não entre em dívidas ou empréstimos bancários, comprometendo sua saúde financeira. É necessário orientar o franqueado para que ele esteja atento aos aspectos de funcionamento do seu negócio que são importantes para manter o equilíbrio financeiro. Situações como diminuição nas vendas, inadimplência, aumento de custos operacionais, despesas inesperadas, tudo isso poderá afetar o fluxo do negócio, sinalizando que alguns movimentos devem ser feitos para recuperar o fôlego e não entrar no vermelho!

A própria franqueadora pode ensinar a rede franqueada a fazer um planejamento financeiro, prevendo situações adversas nos valores projetados. Assim, uma das atividades diárias do franqueado será manter um controle sobre finanças, evitando as dívidas. 

Evite financiamento para compor o capital de giro

Para que uma unidade franqueada inicie suas operações de forma saudável, é  importante que ela não seja inaugurada com dívidas – e isso inclui empréstimos ou financiamento do capital de giro, pois isso pode aumentar a carga financeira da empresa. É justamente por isso que o montante deve ser parte integrante do investimento inicial do empreendedor. Dependendo do tipo de franquia e do local de operação, as necessidades de capital de giro podem variar significativamente. Portanto, é vital que os franqueadores avaliem criteriosamente o perfil dos candidatos à franquia antes de os aprovarem, garantindo que eles tenham fundos suficientes para sustentar o negócio nas etapas iniciais.

A ausência de capital de giro pode ser fatal para uma franquia, uma vez que uma empresa pode enfrentar crises, com dificuldades financeiras, com despesas ou gastos que não foram devidamente calculados, ou mal-empregados, levando à necessidade de encerrar suas operações de modo prematuro.

 

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para garantir a segurança jurídica da franqueadora, é fundamental que as marcas busquem assessoria de profissionais jurídicos especializados em franchising. Assim, ele poderá elaborar contratos sólidos e definidos dentro da lei, estabelecendo uma confiança e apoio para o sucesso e equilíbrio na relação entre os envolvidos.

 

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

 

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar

Há duas situações em que acontece o repasse de franquias: o franqueador pode repassar unidades próprias, em funcionamento, transformando-as em unidades franqueadas, ou um franqueado pode repassar a unidade a um novo investidor. Ambas precisam de uma atenção especial da franqueadora e é necessário tomar alguns  cuidados para que a operação seja um sucesso. Neste texto, falaremos tudo o que o franqueador precisa saber sobre o repasse de franquia.

O repasse de unidades próprias a um franqueado

Esse é um caso muito comum no sistema de franchising e de uma certa forma  simples, juridicamente falando. As franqueadoras costumam pilotar unidades próprias e, quando têm algumas delas performando bem, podem oferecê-las a investidores locais. Como elas estão em pleno funcionamento, inicia-se o processo de seleção, calcula-se o valor daquele investimento, firma-se o contrato  de franquia e o franqueado apenas ‘pula a etapa’ de implantação, adquirindo a franquia  de “porteira fechada” com a carteira de clientes, mobiliário, equipamentos, e todo o resto.  

O contrato de franquia, neste caso, é o mesmo para a toda a rede, podendo ter adendos que referenciem a compra diferenciada.

Para entender essa questão com detalhes, leia: https://novoaprado.com.br/repasse-de-franquia-por-que-comprar-uma-loja-propria-repassada-pela-franqueadora/

O repasse de unidades franqueadas a um novo investidor

Essa é a questão mais complexa e que merece atenção.

O artigo 2º da lei 13.966/19, que rege o sistema de franquias no Brasil, diz o seguinte sobre o repasse de franquias:

Art.  2º Para a implantação da franquia, o franqueador deverá fornecer ao interessado Circular de Oferta de Franquia, escrita em língua portuguesa, de forma objetiva e acessível, contendo obrigatoriamente:

XVII – indicação da existência ou não de regras de transferência ou sucessão e, caso positivo, quais são elas;

Desde o início da relação de franquia, portanto, o franqueador deve deixar claro ao candidato à franquia que, em caso de repasse, ele deve seguir determinadas regras. E tais instruções devem constar também no contrato de franquia. Esse também é um dos bons motivos para a elaboração cuidadosa do contrato  de franquia com assistência jurídica de um especialista em franchising.

O Repasse de Franquia, também conhecido como transferência de franquia, ocorre quando um franqueado atual decide vender sua unidade a um novo interessado, que se tornará o novo franqueado. Essa transição envolve a transferência de todos os direitos, responsabilidades e ativos relacionados à operação da franquia.

Franqueador e franqueado sabem perfeitamente de seus direitos e responsabilidades. E repassar a unidade franqueada da forma correta, respeitando as condições vigentes do sistema de franquia, prazos e valores,  é tanto um direito quanto uma responsabilidade os parceiros.

O franqueado deverá estar ciente que deve comunicar oficialmente à franqueadora o desejo de repassar a unidade franqueada. Após encontrarem um candidato, a franqueadora aplicará o processo de seleção, para avaliar e verificar se o candidato tem o perfil adequado para assumir a operação da  unidade franqueada. Assim, o novo franqueado,  já aprovado pela franqueadora, deverá receber a COF (circular de oferta de franquia), assinar o contrato de franquia e  pagar a taxa de franquia  à franqueadora e, ainda, efetuar o pagamento do valor da franquia e suas instalações  ao antigo franqueado.

Leia este artigo para saber mais: repasse da unidade franqueada não pode ser decisão unilateral do franqueado

Rescisão do contrato de franquia

Também será necessário realizar a rescisão de contrato de franquia com o franqueado antigo, dentro dos termos da lei. É preciso apresentar um documento formal notificando o fim da parceria, dentro do prazo determinado no respectivo contrato, seguindo os  parâmetros jurídicos. 

Também é necessário que o franqueado que está repassando a unidade franqueada arque com suas dívidas com a franqueadora, bem como fornecedores, locador do ponto comercial e impostos, caso haja dívidas. E o novo franqueado deve também receber orientação jurídica para abrir sua empresa franqueada, de forma a se proteger de eventuais riscos financeiros que recaiam da gestão do antigo franqueado. 

Uma COF bem elaborada, assim como um bom contrato de franquia, garantem que o repasse sem a anuência e aprovação do franqueador sejam considerados uma grave violação da relação de franquia. A segurança jurídica da marca precisa ser preservada por meio de seus documentos, bem como pela contratação de uma equipe jurídica estratégica, especializada em franchising e varejo.

Saiba mais detalhes sobre a Circular de Oferta de Franquia.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Assegure o apoio jurídico da franqueadora, para que a marcas possam contar com a assessoria de profissionais especializados em franchising, visando a garantia de contratos bem elaborados, dentro dos termos legais, criando uma parceria que objetiva o sucesso e a boa relação entre as partes.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma equipe jurídica confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Uma das principais diferenças entre ter um negócio independente e ter uma franquia é que o franqueado adquire do franqueador o direito de usar uma marca já conhecida e um modelo de negócio já foi pilotado e testado. O franqueador obteve sucesso em um negócio e desenvolveu uma série de processos que garantirão que a fórmula pode ser replicada em mercados diferentes, obtendo resultados satisfatórios. E você sabe por que é tão importante que o franqueador realmente tenha testado – ou pilotado – o negócio antes de o franquear? Fique conosco até o final que você entenderá bem este conceito!

A importância da transferência de know-how em franchising

Já falamos em outro artigo sobre tudo o que é necessário saber sobre transferência de know-how em franchising. Deixamos claro, de antemão, que uma das regras principais para se expandir por franquia é que o franqueador transmita os conhecimentos acumulados de seu negócio ao franqueado, ou seja, transfira o seu know-how. 

No Art. 1°, da Lei n° 13.966/19, a lei de franquias, está detalhado que a franquia tem que ter transferência de know-how. Dessa forma, a lei exige que o franqueador, obrigatoriamente, deve ensinar ao franqueado tudo o que sabe sobre a sua marca, como fazer o marketing, conhecer os produtos, ter estratégias de vendas, saber atender o cliente com excelência, ter boa relação com fornecedores, enfim, usar de todas as estratégias para replicar aquele negócio de modo satisfatório e vantajoso.

Confira o que diz a lei:

Art. 1º “Esta Lei disciplina o sistema de franquia empresarial, pelo qual um franqueador autoriza por meio de contrato um franqueado a usar marcas e outros objetos de propriedade intelectual, sempre associados ao direito de produção ou distribuição exclusiva ou não exclusiva de produtos ou serviços e também ao direito de uso de métodos e sistemas de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvido ou detido pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem caracterizar relação de consumo ou vínculo empregatício em relação ao franqueado ou a seus empregados, ainda que durante o período de treinamento”.

O que é know-how?

Em um mundo em constante evolução, o sucesso nos negócios muitas vezes depende da posse de um ativo intangível muito valioso: o know-how, termo em inglês que significa, no sentido literal, “saber fazer”. Ou seja, representa o conhecimento adquirido e as habilidades necessárias para realizar tarefas específicas em uma empresa. Seja para administrar uma unidade franqueada ou para manter uma vantagem competitiva no mercado, o know-how desempenha um papel indispensável, no sistema de franquia, e que tem levado muitos investidores ao sucesso.

Como fazer a transferência de know-how

A transferência de know-how em um modelo de franquia é um processo indispensável para o sucesso da rede. Quando alguém decide comprar uma franquia, a motivação está enraizada na busca por um modelo de negócios testado e aprovado. O franqueador já possui um negócio que demonstrou sucesso em diferentes locais, resultado de práticas bem-sucedidas que deram muito certo. A base desse processo de transferência de know-how é a transformação do modelo de negócios em manuais e processos operacionais bem estabelecidos.

Para replicar o sucesso do negócio em várias unidades, o franqueador precisa documentar todos os padrões, atividades e operações em manuais operacionais detalhados. Esses manuais servem como guias essenciais para ensinar aos franqueados como executar todas as atividades do negócio, desde as operações diárias até as estratégias de marketing.

Sem essa documentação clara, a replicação do negócio se torna incerta e desorganizada. E quem chegou até esse ponto de investimento, provavelmente, não vai querer dar continuidade a um negócio que parece arriscado e comprometedor, ou como dizem por aí: pode ser um barco furado… Não é verdade?

Leia este artigo e entenda melhor: O que você precisa saber sobre Franchising? Veja aqui!

Esse modelo de negócio tem futuro?

Um ponto crucial é que o franqueador não pode simplesmente ter uma ideia na cabeça e esperar que tudo funcione perfeitamente. Ele precisa ter a confirmação de que o modelo de negócios é eficiente na prática, e isso requer um período de teste e pilotagem. 

É recomendável que o franqueador opere o negócio por um espaço de tempo significativo, geralmente de pelo menos dois anos, para verificar sua viabilidade e sucesso. Esse período de pilotagem é necessário para ajustar e otimizar o modelo de negócios, garantindo que ele esteja preparado para ser replicado com êxito.

Além disso, é fundamental que o franqueador tenha unidades próprias em operação antes de começar a franquear o negócio. Isso não apenas permite que ele teste o modelo de negócios, mas também demonstra seu comprometimento com o sucesso da rede de franquias. Unidades próprias servem como referência para os franqueados e oferecem um ambiente de aprendizado prático.

Sintetizando, a transferência de know-how em uma franquia é um processo que começa com a validação do modelo de negócios por meio de operações acertadas, seguida pela documentação cuidadosa em manuais operacionais e pela necessidade de ter unidades próprias para testar e aperfeiçoar o conceito de negócios. Esse processo meticuloso e estruturado é fundamental para garantir o sucesso da franquia e a replicação consistente do modelo em diversas localidades.

A importância de o franqueador testar o seu negócio antes de começar uma franquia é uma condição viável para o sucesso do modelo de franquias como um todo. Ao realizar testes e avaliar minuciosamente a operação, o franqueador pode identificar e corrigir eventuais falhas, otimizar processos e garantir que o sistema de franquias seja sólido e eficaz. Isso não apenas beneficia o franqueador, mas também é imprescindível para a transferência de know-how aos franqueados.

A realização de testes prévios permite ao franqueador entender as nuances e desafios específicos de seu negócio, preparando-o para fornecer um suporte mais eficiente aos franqueados. Além disso, esse processo ajuda a estabelecer padrões de qualidade e operações bem definidas, que são essenciais para manter a consistência da marca e do negócio no futuro.

Em resumo, o franqueador que testa seu negócio antes de franqueá-lo demonstra responsabilidade e comprometimento com o sucesso de sua rede. Essa abordagem não apenas reduz riscos para os franqueados, mas também contribui para a construção de uma franquia sólida e confiável, resultando em uma parceria de sucesso entre franqueador e franqueados.

Por isso, é importante pensar no quanto é aconselhável que as franqueadoras contratem a assessoria de advogados especializados em franchising objetivando garantir que todos os termos e condições estejam em conformidade com a Lei do Franchising (13.966/19), desenvolvendo franqueados e construindo relações com uma maior segurança jurídica e, consequentemente, trazendo satisfação e sucesso para todos. 

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para garantir o suporte jurídico da franqueadora, as marcas devem contratar os serviços de profissionais especializados em franchising, para terem a garantia da elaboração de contratos sólidos, com termos claros e justos, levando à concretização do negócio sem interrupções e à boa relação entre as partes interessadas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Sempre enfatizamos, aqui no blog da Novoa Prado e Kurita Advogados, a importância dos documentos que regem o sistema de franchising, a exemplo da Circular de Oferta de Franquia (COF)  e do Contrato de Franquia. Mas você sabe qual é a diferença entre esses documentos e como o franqueador deve ter cada um deles muito bem alinhado ao negócio, de forma a trazer segurança jurídica à rede? Para entender perfeitamente do assunto, leia este texto até o final!

Os documentos que regem o sistema de franchising

A lei 13.966/19 é conhecida como lei de franquias e determina que o franqueador entregue ao franqueado a Circular de Oferta de Franquia (COF), um documento que contém as informações solicitadas pela lei, detalhadamente. Depois do recebimento e análise da COF, o candidato assina o Contrato de Franquia, que também é citado na lei.

A Circular de Oferta de Franquia (COF) e o Contrato de Franquia são dois documentos essenciais no processo de estabelecimento de uma relação de franquia. Ambos desempenham papéis distintos, mas igualmente importantes na definição dos termos e condições que regerão a parceria entre o franqueador e o franqueado. 

A Circular de Oferta de Franquia (COF)

A COF é o documento que o candidato à franquia recebe do franqueador no final do processo de seleção, nos termos exigidos legalmente. Ela serve como um instrumento informativo e de transparência, permitindo ao candidato à franquia uma visão detalhada do negócio que está prestes a ingressar. Além disso, a COF é um requisito legal no Brasil e deve ser fornecida ao franqueado em potencial com pelo menos dez dias de antecedência da assinatura do Contrato de Franquia.

A principal função da COF é fornecer informações detalhadas sobre a franquia, incluindo, mas não se limitando a:

Histórico da franqueadora: Aqui, o franqueador descreve sua história, tempo de operação, e seu desempenho no mercado.

Informações financeiras: Isso inclui estimativa de investimentos,  custos e despesas associados à aquisição  da franquia.

Obrigações das partes: Descreve as obrigações tanto do franqueador quanto do franqueado, detalhando suas responsabilidades contratuais.

Território de atuação: Especifica o critério  territorial e quais as limitações geográficas da franquia.

Taxas e valores: Detalha todas as taxas associadas à franquia, como a taxa de franquia, royalties, fundo de marketing, entre outras.

Perfil desejado do Franqueado: Descreve as  características pessoais, preferenciais e obrigatórias, necessárias para o franqueado operar a franquia. 

Prazo e duração do contrato: Define a duração do contrato, as condições para renovação e os termos de rescisão.

Há ainda muitas outras informações exigidas pela Lei para a elaboração de uma COF, sendo de extrema importância que o franqueador seja  bastante transparente  para que o futuro franqueado ratifique as informações recebidas durante o processo de seleção.

Entenda melhor assistindo o vídeo: O que é Circular de Oferta de Franquia (COF)

O Contrato de Franquia

O Contrato de Franquia é o documento legal que efetivamente estabelece as regras e normas  da relação entre o franqueador e o franqueado. Ao contrário da Circular de Oferta de Franquia (COF), que é um documento informativo, o contrato de franquia é um acordo vinculativo que regula os direitos e obrigações de ambas as partes durante a vigência da franquia.

No contrato de franquia deve estar previsto os seguintes pontos,  incluindo mas não se limitando a:

Uso da marca: O contrato deve especificar o uso da marca registrada da franqueadora pelo franqueado.

Território: Deve definir claramente o território de atuação do franqueado.

Taxas e valores: Detalhar as taxas a serem pagas pelo franqueado, incluindo a taxa de franquia, royalties e fundo de marketing, se aplicável.

Obrigações das partes: Descrever as responsabilidades e deveres tanto do franqueador quanto do franqueado durante a vigência do contrato.

Prazo e renovação: Estabelecer a duração do contrato e as condições para renovação, bem como as penalidades e multas em caso de rescisão.

Treinamento e suporte: Especificar o treinamento fornecido pelo franqueador e o suporte contínuo oferecido ao franqueado.

Pontos de Atenção no Contrato de Franquia

É fundamental que o franqueador e o franqueado prestem atenção a alguns detalhes cruciais ao elaborar e assinar o contrato de franquia. É essencial que o contrato seja redigido de uma forma clara e acessível, evitando duplas interpretações e possíveis discussões de entendimento daquilo que foi anteriormente combinado. Além disso, o contrato deve ser assinado na presença de duas testemunhas para garantir sua validade.

Quer saber mais? Clique aqui e Entenda mais sobre o contrato de franquia

Conclusão

A COF e o Contrato de Franquia são dois documentos distintos, mas igualmente importantes, no contexto das franquias. A COF fornece informações detalhadas ao franqueado em potencial, permitindo-lhe avaliar a franquia de forma abrangente antes da assinatura do contrato. O Contrato de Franquia, por sua vez, estabelece as bases legais da relação entre franqueador e franqueado, regulando direitos, deveres e responsabilidades de ambas as partes.

Para garantir a transparência, segurança e conformidade com as leis, é aconselhável que ambas as partes envolvidas em uma franquia busquem a orientação de advogados especializados em direito de franquias ao elaborar e revisar esses documentos, garantindo que todos os aspectos jurídicos sejam devidamente considerados. Dessa forma, a relação de franquia pode prosperar com confiança e segurança para ambas as partes.

Como vimos, o processo de elaboração da COF e do Contrato de Franquia é bem complexo, pois requer que os interessados, tanto o franqueador que deseja lançar sua marca, quanto o franqueado, que pretende fazer parte da franquia, entendam o instituto do franchising e a própria  lei que o rege (13.966/19). Mesmo assim, um acompanhamento de profissionais capacitados para dirimir dúvidas e assessorar em todas as etapas, é imprescindível. Isso para evitar que falhas e problemas jurídicos possam comprometer a validade e credibilidade dos documentos em questão.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para garantir o apoio jurídico da franqueadora, as marcas devem contar com os serviços de assessoria de profissionais especializados em franchising, objetivando ter contratos sólidos, transparentes e justos, levando ao sucesso e à boa relação entre as partes interessadas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Uma das definições para boas práticas é ‘o uso de técnicas e ferramentas que possibilitem a organização e melhorem o desempenho na gestão empresarial”. No Franchising, conseguimos aplicar as boas práticas em muitas áreas – e temos, inclusive, as boas práticas legais, que são estratégias ligadas às questões jurídicas: quando bem utilizadas, elas administram conflitos, reduzem a judicialização e minimizam danos. Se você quer saber mais sobre como como usar quatro boas práticas legais no relacionamento do franqueador com sua rede franqueada, leia esse texto até o final.

Na maioria das vezes, as franqueadoras nascem pequenas e vão crescendo em estrutura conforme a rede franqueada também se amplia. Então, se elas têm a visão de que é preciso implantar boas práticas legais desde o começo de suas atividades, criam uma estrutura de governança que as torna sólidas, com gestão transparente e sem equívocos relacionados à missão e aos valores de seus franqueadores. 

Uma marca que implanta as boas práticas jurídicas desde sua criação certamente tem mais chances de concorrer com legitimidade no mercado, porque praticará o Franchising Consciente, aquele galgado em pontos como valorização das relações humanas; observação das leis e regulamentações vigentes; respeito ao consumidor, ao meio-ambiente e à sociedade; busca de ganhos mútuos para a franqueadora e para a rede franqueada; investimentos em tecnologia e inovação; diferenciação nos canais de distribuição e de varejo e presença digital.

No dia a dia, as boas práticas jurídicas são instrumentalizadas como ações que melhoram a gestão da franqueadora e ampliam o bom relacionamento com a rede franqueada, como nesses quatro exemplos que todas as franqueadoras podem adotar:

1 – Treinar juridicamente as equipes de Expansão, Operações e Consultoria da franqueadora – A lei 13.966/19, que rege o sistema de franquias no Brasil, determina que todas as franqueadoras devem entregar ao candidato à franquia a Circular de Oferta de Franquia (COF), um documento com o descritivo do negócio. Nele, constam as regras relacionadas ao fornecimento da unidade franqueada, direitos e deveres do franqueado, taxas e forma de remuneração da franqueadora, dentre outras informações, bem como as minutas de pré-contrato (para as redes que o adotam) e contrato de franquia (para todas as redes).

Como a COF e o Contrato de Franquia são documentos bastante importantes dentro do sistema de franquia,  é fundamental que todos os colaboradores da franqueadora sejam capacitados e compreendam com profundidade a documentação legal que rege a franquia da marca. 

Em relação à equipe de Expansão, isso se faz necessário para que, na concessão da franquia, não haja informações que não poderão ser validadas e muito menos deveres que não poderão ser cumpridos  ou ainda negociações com muitas  exceções que fujam ao padrão da franqueadora e, posteriormente, frustrem o franqueado. 

Para as equipes de implantação e operações, a capacitação é da mesma forma  recomendada, já que elas atuam continuamente junto aos franqueados e poderão agir com mais assertividade e autonomia se souberem dos limites contratuais e conhecerem a fundo o que consta nos documentos legais da franquia.

O ideal é que esse treinamento seja realizado anualmente, para toda a equipe, e a cada novo colaborador  contratado.

 2 – Criar Conselho de Franqueados e Associação de Rede de Franquia – Quando uma marca soma cerca de 30 franquias, ela já pode pensar em ter um Conselho de Franqueados. 

O Conselho de Franqueados não é previsto na lei de franquias, mas é um órgão que deve ser defendido pela própria franqueadora, por meio de um regulamento próprio, com regras e disposições aprovadas pelos futuros membros do Conselho. Em geral, eles são formados por representantes de todas as regiões nas quais há unidades franqueadas. 

O Conselho pode opinar sobre questões importantes que permeiam o universo da franquia. Isso envolve lista de produtos, serviços, fornecedores, direcionamento das verbas de marketing, problemas com a concorrência, obstáculos no relacionamento com a franqueadora, alinhamento de expectativas, crises de relacionamento e demais questões que envolvam a rede como um todo. A sua abrangência vai depender do grau de maturidade e sabedoria do próprio franqueador, uma vez que não existem regras rígidas e muito menos legais, para o seu objeto. O Conselho de Franqueados, porém, é um órgão consultivo – e não deliberativo.

Diferente dele, a Associação de Rede de Franquia é um formato de entidade jurídica cujo principal objetivo é a gestão eficiente do fundo de propaganda – um ponto comum de discórdia entre franqueadores e franqueados.

Trata-se de uma entidade sem fins lucrativos (com CNPJ próprio) que tem a franqueadora e os franqueados como membros, eleitos proporcionalmente à representatividade da região em que existem mais ou menos franquias da marca. 

De forma cooperada, os membros da Associação de Rede avaliam as necessidades da marca e realizam conjuntamente  a gestão do fundo de propaganda. 

É importante frisar que, neste tipo de Associação, a organização societária se dá sob uma estrutura legal embasada em legislação cível, o que facilita os procedimentos legais e as regras aplicadas, tanto organizacionalmente quanto em termos tributários.

3 – Ter um Conselho Consultivo na franqueadora – Nas franqueadoras, o Conselho Consultivo tem a mesma função que tem em outras empresas: a de reunir profissionais independentes, com grande experiência diversificada, que tragam uma visão mercadológica estratégica para a empresa, com a finalidade de apontar caminhos que a valorizem e ampliem a sua atuação no mercado. Esse olhar de fora permite o aprimoramento de melhores práticas, porque há mais pessoas capacitadas refletindo estrategicamente sobre o negócio.

Os Conselhos mais eficientes são compostos por profissionais intergeracionais e diversificados, que viveram experiências distintas, mas que possuem vivência comprovada em Franchising. O Conselho Consultivo é acessível para todos os portes de franqueadoras, até porque cada franqueadora pode organizá-lo da forma que lhe convier. 

4 – Evitar a judicialização de conflitos optando por Negociação e Mediação – Evitar a judicialização dos conflitos é uma das mais importantes decisões que as franqueadoras podem tomar quando decidem implantar as boas práticas jurídicas em suas redes. Mas fazer isso depende de como elas lidam com seus problemas dentro de casa, desde que eles surgem.

Quando uma franqueadora surge, ela tem uma certeza: conflitos com franqueados existirão, em menor ou maior grau. Isso porque se trata de relacionamento humano e as pessoas são, sentem e se expressam de formas  diferentes. Assim, é preciso que haja todo um planejamento sobre como a franqueadora lidará com as situações – mesmo antes que elas aconteçam.

As franqueadoras que possuem ciência a respeito das dificuldades que poderão surgir ao longo da relação com seus franqueados se antecipam a isso, criando  mecanismos jurídicos para lidar com cada situação. Isso se dá não por envio de advertências e notificações,  mas pela aplicação de uma comunicação cuidadosa e eficiente,  clara e transparente, com a ajuda de uma equipe de gestores e advogados preparada para isso. A forma de administração de adotada por cada franqueadora, diferencia a marca num cenário competitivo. Isso porque reflete em economia de custos, aproveitamento do tempo e investimento no futuro e inovação. E, como alternativa final, ainda existe a possibilidade de estipulação de uma cláusula escalonada propondo a resolução do conflito por Negociação e Mediação, que são métodos pacíficos que permitem a continuidade ou não do relacionamento entre as partes de uma forma harmoniosa e afável, antes da decisão de judicialização 

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para implantar boas práticas  e garantir o apoio jurídico da franqueadora, as marcas devem contar com os serviços de assessoria de profissionais especializados em franchising, objetivando ter contratos sólidos, transparentes e justos, levando ao sucesso e à boa relação entre as partes interessadas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Entende-se por franquia a reprodução de um conceito de negócio de sucesso. Quando o consumidor procura por uma marca que se expande pelo sistema de franchising, ele espera encontrar o mesmo padrão de serviços e produtos, independentemente da localização em que esteja – e é justamente para a manutenção desse padrão que existem a transferência de know-how (do conhecimento e do segredo das operações do franqueador ao franqueado, por meio de treinamentos) e do suporte oferecido pela franqueadora no decorrer do contrato.

Em se tratando do know-how, a lei de franquias (13.966/19) é bastante clara ao determinar, em seu artigo 1º, que a franquia obrigatoriamente é um negócio que envolve a transferência de know-how:

Art. 1º  Esta Lei disciplina o sistema de franquia empresarial, pelo qual um franqueador autoriza por meio de contrato um franqueado a usar marcas e outros objetos de propriedade intelectual, sempre associados ao direito de produção ou distribuição exclusiva ou não exclusiva de produtos ou serviços e também ao direito de uso de métodos e sistemas de implantação e administração de negócio ou sistema operacional desenvolvido ou detido pelo franqueador, mediante remuneração direta ou indireta, sem caracterizar relação de consumo ou vínculo empregatício em relação ao franqueado ou a seus empregados, ainda que durante o período de treinamento.

Porém, em relação ao suporte, o que diz a lei de franquias? O franqueador é obrigado a oferecer suporte ao franqueado? De que forma? Como deve deixar isso claro ao franqueado? Para entender como a lei de franquias trata da questão de suporte, tão importante no sistema de franchising, leia este texto até o final.

O que é suporte ao franqueado

Para aumentar a experiência do cliente e o fidelizar, é imprescindível que a marca mantenha um padrão de atendimento, serviços, produtos e layout em suas operações. Um mau atendimento em uma única franquia pode colocar em risco toda a construção de imagem da marca, bem como diversas operações – e todos os franqueados são responsáveis por zelar pela imagem da rede, mantendo padrões de excelência.

Por isso, a consultoria é realizada para dar suporte ao franqueado: por meio de um consultor capacitado, o franqueado recebe visitas presenciais ou remotas, de forma a obter orientação tanto na parte operacional quanto em suas dificuldades na gestão da franquia. 

O consultor  deve ser capaz de verificar se os padrões estão sendo cumpridos, claro, mas seu papel é muito superior ao de um simples fiscal: ele é um estrategista. Ao levantar dados de desempenho da unidade franqueada e os analisar, o consultor de campo poderá diagnosticar quais são os pontos fracos daquela operação, sugerindo ao franqueado melhorias, como a melhor capacitação de seus colaboradores, a adoção de estratégias de relacionamento com o cliente, o investimento correto em redes sociais, a melhoria no padrão de atendimento, a oferta de novos produtos ou serviços, o melhor relacionamento com o shopping, a renegociação do aluguel, dentre tantas outras possibilidades.

Para que o consultor haja de forma estratégica, ele precisa também ser capacitado – e isso depende da franqueadora, que deve investir nesse profissional, dando a ele condições de especialização. Isso permitirá, inclusive, que ele realize capacitações e treinamentos in loco, com as equipes do franqueado, agregando valor a cada visita.

Nesses encontros periódicos, virtuais ou presenciais, o consultor conseguirá entender como o franqueado se sente em relação à franqueadora, prevendo possíveis conflitos e podendo atuar antecipadamente, para que a franqueadora tome medidas pacificadoras o mais rápido possível, de forma que alguma questão simples de ser solucionada não vire um grande problema.

Também fazem parte do suporte outras ações, como os grupos que envolvem os franqueados nas estratégias de gestão da franqueadora, a exemplo do Conselho de Franqueados, da Associação de Rede de Franquia e dos Comitês de Franqueados. Ferramentas de comunicação, como intranets, lives, newsletters e tudo o que mantém a rede interligada compõem, ainda, o suporte, bem como o chamado SAF – Serviço de Atendimento ao Franqueado, um departamento que muitas franqueadoras mantêm para auxílio imediato às unidades franqueadas que precisam de apoio na solução de emergências, urgências e outras demandas.

Mas a franqueadora é obrigada, por lei, a prestar suporte à rede franqueada?

Após entender o que é o suporte ao franqueado, você percebeu que essa ferramenta é fundamental para que a rede franqueada opere adequadamente. Por meio do suporte, os franqueados esclarecem suas dúvidas, têm acesso a novas tecnologias e treinamentos, são reorientados quando há algo fora do padrão, recebem orientação para ampliarem sua participação no mercado em que atuam e aumentarem o faturamento. Então, sem o suporte, nada disso aconteceria e, ao comprar uma franquia, é justamente isso que o franqueado busca.

Em relação à lei de franquias (13.966/19), o artigo 2º, parágrafo XIII, dizem:

Art.  2º Para a implantação da franquia, o franqueador deverá fornecer ao interessado Circular de Oferta de Franquia, escrita em língua portuguesa, de forma objetiva e acessível, contendo obrigatoriamente:

XIII – indicação do que é oferecido ao franqueado pelo franqueador e em quais condições, no que se refere a:

  1. a) suporte;
  2. b) supervisão de rede;
  3. c) serviços;

Segundo a lei, portanto, o franqueador deve descrever, na Circular de Oferta de Franquia, de forma objetiva e acessível, o que é oferecido de suporte, supervisão de rede e serviços. Entretanto a lei não obriga o franqueado a oferecer nenhum desses itens – mas se a marca não oferecer nada, isso também deve constar em seus documentos.

Por que oferecer suporte ao franqueado torna sua franqueadora mais sólida e competitiva

Boas práticas tornam as franqueadoras mais saudáveis, eficientes e competitivas. Quando uma empresa decide expandir sua marca por meio do franchising, ela busca parceiros que a representem com dedicação ao formato e o padrão que a tornam única e, além disso, esperam que esses empresários contribuam para que a rede evolua constantemente e seja perene.

Para isso, é preciso que todas as unidades franqueadas estejam em sintonia, seguindo em direção ao mesmo objetivo e interligadas – o que só é possível se elas tiverem o direcionamento estratégico da franqueadora, que investirá em atualização, inovação e tecnologia capazes de renovar a marca, posicionando-a junto ao público-alvo. 

A forma de transmitir os rumos da franqueadora aos franqueados é pelo suporte oferecido. Sem isso, uma marca jamais poderá ser considerada uma franquia, já que o conceito de franchising é, basicamente, a gestão de pessoas – e não se faz gestão de pessoas sem o contato com elas.

Portanto, se você deseja ser um franqueador de sucesso, estruture sua marca para oferecer o melhor suporte à rede franqueada. Com isso, sua rede terá menos conflitos, mais resultados e, claro, melhor faturamento.

O papel do franqueado

Oferecer suporte ao franqueado não significa trabalhar por ele. E esse é um mito que precisa ser derrubado desde o processo de seleção.

Quando um investidor busca uma franquia, ele deve entender que o franqueador o ensinará a operar o negócio (transferência de know-how), mas não colocará a mão na massa. O franqueado terá acesso a fornecedores, treinamentos, uma marca bem-posicionada no mercado, mas conquistar e fidelizar clientes será a sua responsabilidade. Também caberá ao franqueado realizar ações de marketing local, online e offline; capacitar equipes e fazer a gestão de pessoas; realizar as compras e as vendas; zelar pelas adequações da unidade franqueada às leis que regem o setor ao qual ela pertence, entre outras obrigações. O franqueado deve entender que ele é um investidor que optou por operar um negócio de risco e sua atuação poderá trazer resultados positivos ou negativos à franquia – e o suporte o ajudará a minimizar os riscos, mas o sucesso depende também de seu empenho.

Participar das atividades propostas pela franqueadora – como treinamentos e lives –, receber o consultor de coração aberto, levar à franqueadora suas dúvidas e descontentamentos, participar ativamente das atividades da rede, propor alternativas viáveis aos problemas encontrados, agir como parceiro da marca, procurar resolver problemas por meio de métodos pacíficos, colaborar com outros franqueados e, principalmente, entender que faz parte de uma rede e defender sua marca são obrigações do franqueado, que usufruirá melhor do suporte oferecido se participar dele espontaneamente.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para garantir o apoio jurídico da franqueadora, as marcas devem contar com os serviços de assessoria de profissionais especializados em franchising, objetivando ter contratos sólidos, transparentes e justos, levando ao sucesso e à boa relação entre as partes interessadas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Todas as empresas que desejam transformar seu negócio em franquia precisam entender se ele é escalável, ou seja, se é possível reproduzir aquele conceito em outras praças, com públicos diferentes, operado por pessoas que recebem treinamento especializado e em outras condições obtendo lucro e retorno do investimento.

Para que isso aconteça, além de pilotar o negócio anteriormente, o futuro franqueador precisa de ter um plano de negócios – o famoso business plan. É com esse norteador que ele saberá quais serão os passos para a estruturação do negócio e, posteriormente, para sua expansão. Se você deseja entender melhor sobre o plano de negócios, leia este texto até o final.

O que é um plano de negócios

Um plano de negócios é basicamente uma organização de ideias que se transformam em objetivos e metas a serem definidas e elencadas num documento escrito que estabelecerá as diretrizes para que um empreendimento empresarial se torne viável. Nele, serão identificados fatores importantes, como os possíveis riscos e como serão administrados os recursos disponíveis para que o negócio se concretize com êxito.

O plano de negócios mostrará uma visão panorâmica realista do empreendimento em análise, otimizando tempo e investimento, gerando expectativas de mercado e favorecendo também a compreensão e acompanhamento de resultados, criando condições de estabelecer parâmetros fortes que darão garantia de estabilidade ou, de outro modo, até inviabilizar operações referentes à implantação do negócio.

Conheça os principais itens de um plano de negócios

Plano Operacional – será a base para determinar o funcionamento do negócio, na qual será definida uma rotina detalhada de operações que deverão ser cumpridas, com todas as demandas necessárias para o negócio acontecer. Essa gestão programada contribuirá com o processo do estabelecimento do negócio e se for eficiente, logo dará sinais de que todo o esforço valeu a pena.

Plano de Marketing – criar um plano de marketing é da maior relevância para a consagração do seu produto no mercado. Quem tem uma franqueadora também precisa pensar no marketing institucional, em como ele será aplicado em cada praça, em como os recursos do fundo de propaganda serão utilizados, enfim, é fundamental que tudo seja estudado, porque a concorrência é acirrada e a exposição da marca precisa ser bem planejada, em todas as frentes. 

Plano Financeiro – engloba todos os custos que acontecerão desde a abertura do negócio até a empresa funcionar, incluindo os investimentos iniciais para estruturação, sem se esquecer do capital de giro, que é ponto chave para manter a saúde financeira do negócio. Aqui, entram os gastos com marketing, por exemplo.

Relacionamento com clientes – a relação com o cliente funciona como um termômetro para manter a motivação do negócio. O cliente precisa se sentir fazendo parte, como um elemento especial que completa a ideia da marca, do negócio. Fidelizar o cliente é um meio inteligente de ganhar espaço no mercado e fazer a diferença.

Principais Parcerias – é bom ficar de olho, parceiros são os aliados que poderão divulgar o nome da marca e os que vão comprar os produtos/ ou serviços da empresa. De qualquer modo, é importante se manter em dia com eles, acompanhando suas necessidades, mudanças de interesse, buscando sempre fazer pesquisas de satisfação. O mercado está cada vez mais exigente e os concorrentes que se atualizam andam à espreita de novos empreendimentos.

Nesse planejamento, é fundamental incluir os custos para se cercar de profissionais qualificados na área de franchising que farão com certeza a diferença.

Planejamento jurídico – Toda franqueadora precisa pensar na Segurança Jurídica de sua marca. Assim, é fundamental que conte com uma equipe jurídica especializada em franchising, que dará suporte em toda a documentação relacionada ao sistema de franquias, mas não só a ele: contratos acessórios, como os ligados a fornecedores e parceiros comerciais são essenciais numa franqueadora e mantêm a marca saudável e competitiva. Apenas advogados estratégicos, que entendem de varejo e franchising, dão apoio especializado à franqueadora. Também é preciso ter um planejamento jurídico para o bom relacionamento com os franqueados, o que nos leva ao próximo item: um plano de relacionamento com a rede.

Plano de relacionamento com a rede – Dentro do plano de negócios, a franqueadora deve incluir um plano de relacionamento com sua rede franqueada. É uma estratégia preventiva de gestão de conflitos que, quanto mais cedo for implantada, mais resultados positivos traz à rede. Por meio da criação de políticas de crédito, gestão de redes sociais, cobrança, premiações e outras necessárias para o bom relacionamento com os franqueados e colaboradores, a franqueadora faz uma gestão transparente, organizada e participativa da marca. Com a implantação de boas práticas, sempre com o apoio de uma equipe jurídica especializada em franchising, a franqueadora tem muito menos conflitos e, ainda que eles surjam, tem mais facilidade em os solucionar por métodos pacíficos. 

Por que o plano de negócios é importante

Não é nada fácil tirar uma ideia do papel e colocar em prática na criação de um negócio, pois isso requer inúmeras responsabilidades e decisões, principalmente, financeiras. Deste modo, é imprescindível um planejamento prévio, com todas as implicações necessárias para torná-lo realidade.

Quando se trata de uma franqueadora, então, o empreendimento se torna bem mais complexo, pois não basta somente ter o desejo latente de montar o negócio dos sonhos, ainda que a ideia seja muito boa e pareça ter a cara do sucesso, como uma grande oportunidade de expansão. 

É preciso, então, muito preparo e dedicação, pesquisa de mercado e concorrência, qual segmento de negócio, público-alvo, classe social destinada, além de conhecimentos específicos sobre o produto, a marca que pretende lançar, como gerar lucro e fidelizar clientes, como se lançar e alcançar destaque nas plataformas digitais, enfim, adquirir know-how amplo sobre o negócio e, principalmente, decidir se vale a pena o investimento.

Pode parecer complicado, mas é inevitável para quem quer empreender um negócio e ser bem-sucedido, além de se prevenir de situações financeiras desconfortáveis por má-administração e falta de conhecimento, por exemplo, das questões legais e tributárias.

Por isso, é altamente recomendável que as franqueadoras contratem o suporte de advogados especializados em franchising com a finalidade de assegurar que todos os termos e condições estejam dentro da legislação, para que os envolvidos na franquia possam ter seus direitos garantidos e continuem desenvolvendo seus negócios com satisfação e pleno êxito.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para garantir o apoio jurídico da franqueadora, as marcas devem contar com os serviços de assessoria de profissionais especializados em franchising, objetivando ter contratos sólidos, transparentes e justos, levando ao sucesso e à boa relação entre as partes interessadas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Para transformar uma marca de sucesso em uma rede de franquia, o futuro franqueador, que pretende expandir o seu negócio, deve fazer primeiramente um planejamento financeiro detalhado e objetivo sob vários aspectos.

É importante que o franqueador pesquise amplamente sobre o negócio que ele deseja empreender, com todos os riscos em questão, para que futuramente ele não venha a se arrepender de não ter planejado melhor. Dessa forma, ele poderá avaliar todos os custos que compõem um investimento inicial e obterá maior confiança em atingir seus objetivos. É a partir do estudo de viabilidade do negócio que surgirá o plano de negócios da marca e, com ele, o cálculo do investimento inicial na unidade franqueada. Se você, franqueador, deseja entender todos os itens que compõem o investimento inicial de uma franquia, leia este texto até o final!

O que diz a lei de franquias sobre o investimento inicial

O Art. 2º, inciso VIII, da Lei nº 13.966/19 (Lei Brasileira de Franquias), estabelece o que o franqueador precisa definir para fornecer informações quanto ao investimento inicial:

VIII – especificações quanto ao:

  1. a) total estimado do investimento inicial necessário à aquisição, à implantação e à entrada em operação da franquia;
  2. b) valor da taxa inicial de filiação ou taxa de franquia;
  3. c) valor total estimado do investimento inicial das instalações, dos equipamentos e do estoque inicial e suas condições de pagamento;

Segundo a lei, portanto, o franqueador precisa dar ao franqueado uma estimativa do que ele precisará dispor para cobrir gastos com a transferência de know-how e a implantação da franquia, com instalações, equipamentos e estoque inicial. A intenção da lei é permitir que se chegue ao valor mais próximo possível da realidade, para tornar a relação transparente desde o seu início.

Minha marca é escalável?

É uma pergunta crucial, que deve ser avaliada com muita clareza, pois, como se vê, o investimento inicial abrange diversos valores. Cabe às marcas, portanto, definir o que será incluído neste valor, o que dependerá do segmento e do tipo de negócio. Então, antes de tudo, é preciso entender se o negócio é escalável, por meio de um estudo de viabilidade do negócio e de um plano de negócios.

O investimento inicial em uma franquia é imprescindível para que o futuro franqueado verifique a possibilidade de aporte de recursos financeiros pessoais para a aquisição da franquia, além da análise da própria viabilidade do negócio.

Em resumo, é preciso saber que:

Total estimado do investimento inicial necessário à aquisição, à implantação e à entrada em operação da franquia – Nesse cálculo, devem ser incluídas todas as despesas contábeis, começando pela abertura do CNPJ e licenças necessárias para operação de cada segmento; infraestrutura do negócio; gastos com materiais publicitários, como a identidade visual e layout da marca; treinamentos, uniformes e manuais para lançamento da franquia, além das despesas de inauguração.

Taxa de franquia – A taxa de franquia corresponde ao uso de direito da marca e à transferência de know-how e deve ser incluída no cálculo do investimento inicial. O pagamento dessa taxa será o primeiro passo para se obter os direitos de uso da marca.

Por isso, é essencial que o franqueador que pretende lançar sua marca tenha discernimento financeiro quanto à destinação dessa taxa, para que se estruture de modo adequado e garanta a sustentabilidade do negócio. É aconselhável que se ampare em profissionais experts no assunto, inclusive jurídicos, para não ter surpresas desagradáveis.

Valor total estimado do investimento inicial da parte estrutural – Aqui se incluem os custos indispensáveis com equipamentos, maquinários, veículos, mobiliários, estoque inicial e suas condições de pagamento. Assim como prováveis reformas do ponto comercial, instalações e outras despesas mensais.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para assegurar o suporte jurídico da franqueadora, as marcas devem contar com a assessoria de profissionais especializados em franchising, visando a garantia de contratos sólidos, transparentes e legais, criando uma via de mão única para o sucesso e a boa relação entre as partes interessadas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

Para buscar o sucesso dentro do sistema de franchising – seja para o franqueador ou para o franqueado – é necessário que as partes estejam alinhadas, cumprindo as responsabilidades e obrigações de cada uma delas. Por isso, deve haver a implementação de práticas que definam claramente as obrigações do franqueador e do franqueado. 

É preciso, claro, de muita atenção ao implementar as melhores estratégias, tanto para aqueles que estão ingressando nesse modelo de negócios quanto para os mais experientes. Para compreender melhor as obrigações do franqueador e do franqueado, assim como o que pode ser feito para alcançar resultados positivos em um mercado tão competitivo, veja as dicas a seguir:

Obrigações do Franqueador

  • Cumprir a legislação e fornecer  a documentação jurídica necessária: O franqueador deve seguir rigorosamente a Lei de Franquias (13.966/19), que exige a entrega da Circular de Oferta de Franquia (COF) e do Contrato de Franquia. Ele também deve se atentar à elaboração dos contratos acessórios que, apesar de não serem definidos na lei de franquias, são exigidos por legislações de cada setor e garantem a segurança jurídica da operação.
  • Assistência operacional: É fundamental que o franqueador esteja preparado para apoiar a rede franqueada em questões operacionais, comerciais e financeiras, pois esses aspectos têm um impacto significativo na saúde da franquia. 
  • Investimento em tecnologia e recursos: O franqueador deve investir constantemente em tecnologia e recursos que mantenham a marca competitiva e atualizada. Desta forma, as unidades franqueadas se destacam em seu segmento. Além disso, esse investimento prepara as franquias para enfrentarem os desafios do futuro. Acompanhar as tendencias é fator fundamental.
  • Relacionamento com fornecedores: Cultivar relacionamentos sólidos com fornecedores, sejam eles de logística, produtos ou serviços, é crucial para que a marca mantenha seu profissionalismo e competitividade, oferecendo vantagens comerciais aos franqueados. 
  • Equipes técnicas e especializadas: O franqueador deve investir na formação de equipes técnicas e especializadas para oferecer suporte técnico e operacional à rede de franqueados. O suporte de qualidade faz toda a diferença para  os franqueados  alcançarem o êxito na operação das lojas.
  • Foco no Marketing: O franqueador deve priorizar estratégias de marketing eficazes para promover a marca e atrair clientes para as franquias. A expansão por franquias é uma ótima maneira de divulgar o nome da marca e, por isso, o marketing deve ser muito bem explorado.
  • Relacionamento com os franqueados: Manter um bom relacionamento com os franqueados é fundamental. Isso envolve investir em comunicação cuidadosa, com práticas de escuta e diálogos que proporcionem a implementação de estratégias pacificadoras para resolver os eventuais  desentendimentos.

Obrigações do Franqueado

  • Cumprir o contrato de franquia: O franqueado deve aderir ao contrato de franquia e cumprir todas as suas cláusulas bem como as regras operacionais estabelecidas nos manuais e treinamentos. Este é conceito básico para que o relacionamento com a franqueadora seja sempre saudável e profissional.
  • Manter regras e padrões: É responsabilidade do franqueado manter as regras e padrões estabelecidos pela franqueadora na unidade franqueada, garantindo a consistência da marca.
  • Seguir as orientações da franqueadora: O franqueado deve acatar e implementar as orientações, diretrizes e melhores práticas fornecidas pela franqueadora. Isso não deve ser visto apenas como uma obrigação, mas também como uma vantagem para quem adere ao sistema de franchising.
  • Bom relacionamento: Manter um relacionamento cordial e colaborativo com a franqueadora e outros franqueados é essencial para o sucesso da franquia. Mesmo com ideias divergentes, o franqueado deve sempre optar pelo diálogo e apresentar críticas e novas sugestões, dentro de um ambiente pacifico e acolhedor. 
  • Usufruir do suporte oferecido: O franqueado deve aproveitar ao máximo o suporte oferecido pela franqueadora, incluindo treinamento e assistência operacional. Participar de todos os encontros e reuniões – sejam eles presenciais ou on-line – trarão grandes benefícios para o sucesso da franquia.
  • Investir no desenvolvimento de habilidades: É importante que o franqueado invista constantemente no desenvolvimento de suas habilidades, tanto técnicas quanto interpessoais. Quanto mais ele estiver atualizado, melhor ele conseguirá tocar o negócio.
  • Participar de treinamentos e convenções: O franqueado deve participar ativamente de treinamentos e convenções promovidos pela franqueadora para se manter atualizado sobre as práticas e estratégias da rede.
  • Realizar ações de marketing regionais: O franqueado deve implementar ações de marketing locais para promover sua unidade franqueada dentro de sua região de atuação, conforme as regras estabelecidas pela franqueadora. 
  • Campanhas de marketing: Aderir às campanhas de marketing sugeridas pela franqueadora ajuda a fortalecer a marca como um todo – o que é bom para os dois lados –
  • Contribuir com ideias: O franqueado deve contribuir com críticas, sugestões e ideias que possam beneficiar toda a rede de franquias, compartilhando conhecimento e experiência.
  • Participar de comitês e do Conselho de Franqueados: A participação ativa em comitês e no Conselho de Franqueados permite ao franqueado influenciar as decisões estratégicas da rede.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para garantir a segurança jurídica da franqueadora, é essencial que as marcas busquem o suporte de profissionais jurídicos especializados em franchising. Dessa forma, é possível garantir a elaboração de contratos sólidos, claros e equilibrados, estabelecendo uma base para o sucesso e a harmonia na relação entre as partes envolvidas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico especializado em varejo e  franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.

No universo das franquias, a Taxa de Franquia e os Royalties muitas vezes têm suas finalidades confundidas e é fundamental que, no processo de expansão, as marcas tenham clareza na finalidade dessas taxas, para se estruturarem corretamente.

Ambas são componentes financeiros fundamentais nas relações entre franqueadores e franqueados, mas têm naturezas e propósitos distintos. Neste texto, vamos explorar esses dois conceitos e destacar suas diferenças essenciais.

O que é uma Franquia?

Antes de aprofundarmos nos detalhes das taxas de franquia e royalties, é importante entender o que é uma franquia. Em resumo, uma franquia é um modelo de negócio no qual o franqueador concede a terceiros (os franqueados) o direito de usar sua marca, junto à transferência do conhecimento e expertise (know-how) necessários para operar o negócio de acordo com os padrões estabelecidos.

A lei brasileira de franquias (Lei nº 13.966/19) define a franquia como “………….a autorização concedida pelo franqueador ao franqueado para usar marcas e outros ativos de propriedade intelectual, bem como o direito de produção ou distribuição de produtos ou serviços, com base em remuneração direta ou indireta………”.

Taxa de Franquia

A Taxa de Franquia é um valor único e fixo que o franqueado paga ao franqueador no momento da assinatura do contrato de franquia. Essa taxa é uma espécie de ingresso no sistema de franquia e é usada para cobrir os custos iniciais relacionados à concessão da franquia, bem como o direito de uso da marca. Aqui estão alguns pontos-chave sobre a taxa de franquia:

Custo Inicial: A taxa de franquia é uma despesa única que o franqueado paga ao franqueador na assinatura do contrato de franquia, ou na renovação do contrato, na qual pode ser cobrada uma nova taxa de franquia vigente à época.

Propósito: Ela serve para cobrir os custos relacionados à transferência de know-how, treinamento inicial, suporte na implantação da unidade, projeto arquitetônico, entre outros serviços oferecidos pelo franqueador para implantação da franquia.

Valor Fixo: A taxa de franquia é um valor pré-determinado, definido pelo franqueador, e não está vinculada ao desempenho financeiro da unidade franqueada.

Não Obrigatória: Embora seja comum nas franquias, a taxa de franquia não é obrigatória e algumas franqueadoras optam por não cobrar, especialmente quando buscam uma expansão mais acelerada. De qualquer forma, vale sempre a pena avaliar  adequadamente o estudo financeiro da franquia, para que isso não seja apenas um artificio para uma venda rápida que depois possa trazer problemas ao franqueado.

Royalties

Os Royalties, por outro lado, são pagamentos recorrentes feitos pelos franqueados às franqueadoras em intervalos regulares, em geral  mensalmente. Esses pagamentos são feitos em troca do direito contínuo de uso da marca, acesso ao suporte e benefícios contínuos oferecidos pela franqueadora. Aqui estão alguns detalhes sobre os royalties:

Pagamento Recorrente: Os royalties são uma taxa contínua que os franqueados pagam mensalmente ou em outros intervalos acordados ao franqueador.

Base de Cálculo Variável: A quantia dos royalties pode variar com base no faturamento bruto da unidade franqueada, nas compras efetuadas pelo franqueado ou em um valor fixo, dependendo das políticas da franqueadora. Não existe uma obrigatoriedade legal. Cada franqueador estabelece a melhor forma de cobrar, conforme seu estudo financeiro.

Finalidade: Os royalties financiam o suporte contínuo da franqueadora à rede franqueada, incluindo treinamentos, atualizações, inovações, pesquisa e desenvolvimento de produtos e serviços, entre outros.

Obrigatoriedade: Os  royalties são uma parte fundamental do contrato de franquia e são cobrados regularmente durante todo o período de operação da unidade franqueada.

Pode-se dizer, então, que a taxa de franquia é um pagamento único na assinatura do contrato e, em alguns casos, em sua renovação, enquanto os royalties são pagamentos contínuos durante  o período da  operação da franquia. 

Ambos têm papéis importantes para o funcionamento do sistema de franquia, contribuindo para o sucesso e a sustentabilidade da marca. É crucial para os franqueados entenderem essas distinções  e estarem cientes das obrigações financeiras associadas à franquia, antes de entrar em uma rede. 

Além disso, todas as franqueadoras devem ter o suporte de um advogado especializado em franchising para garantir que todos os termos e condições estejam em conformidade com a legislação e sejam justos para ambas as partes.

Conheça a Novoa Prado & Kurita, o suporte jurídico de que você precisa!

Para ter total segurança jurídica em suas operações, é essencial que franqueadores busquem o suporte de profissionais jurídicos especializados em franchising. Dessa forma, é possível garantir a elaboração de contratos sólidos, claros e equilibrados, estabelecendo uma base para o sucesso e a harmonia na relação entre as partes envolvidas.

A Novoa Prado & Kurita é um escritório jurídico  especializado em varejo e  franquias, que oferece soluções personalizadas para a estratégia jurídica de franqueadores e manutenção legal de redes de franquia.

Com uma equipe altamente qualificada e experiência em diversos segmentos, a Novoa Prado & Kurita é a parceira ideal para ajudar sua rede a crescer e prosperar.

Se você está buscando uma empresa de consultoria em franchising confiável e experiente, entre em contato com a Novoa Prado & Kurita saiba como podemos fazer sua rede de franquias alcançar todo o seu potencial.